sábado, 30 de novembro de 2013

Mossoró: Festa de Santa Luzia começa neste domingo com “Abraço a Cidade”

Gildo Bento

Festa de Santa Luzia começa neste domingo (1)
Carlos Guerra Júnior/Da Redação

A imagem de Santa Luzia circula por todas as paróquias da Arquidiocese de Mossoró neste domingo (1). O “Abraço a Cidade” é o evento que marca a abertura da festa da padroeira.

A peregrinação pelas 17 paróquias inicia às 6h da manhã na Capela de Nossa Senhora de Lourdes, no bairro Ulrick Graff e encerra na Catedral de Santa Luzia, às 19h.

Muitos fieis vão acompanhar a imagem da relíquia, durante as 12 horas de peregrinação, bem como são esperados muitos religiosos em cada Igreja para ter contato com a relíquia, que chegou em Mossoró há 234 anos.

“É uma forma de aproximar toda a cidade de Mossoró a Santa Luzia. Os fieis de todos os pontos de Mossoró tem esse contato. É uma ação que acontece a muitos anos e sempre traz muita fé e emoção”, declarou Fabiano Brito, membro da comissão organizadora.

Ao final da peregrinação pelas paróquias de Mossoró, acontece celebração eucarística e show mensagem com a Irmã Kelly Patrícia, no patamar da Catedral.

Confira a programação do Abraço a Cidade:

Jornal de Fato

Dilma se reúne com Lula, PT e PMDB para discutir alianças nos Estados

Brasília, 30 (AE) - A presidente Dilma Rousseff se reúne neste sábado, 30, na Granja do Torto com as cúpulas do PT e do PMDB para discutir a formação de palanques nos Estados. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa do encontro. Dilma chegou ao local da reunião pouco antes das 10 horas, vindo de helicóptero.

A previsão é de que participem do encontro com representantes do PT, além de Dilma e Lula, o presidente do partido, Rui Falcão, e o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, cotado para ser coordenador da campanha de Dilma à reeleição. Pelo PMDB, os representantes são o vice-presidente Michel Temer, o presidente interino do partido, Valdir Raupp, e os presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Henrique Eduardo Alves.

Os principais impasses entre os dois partidos ocorrem no Ceará e no Rio de Janeiro. Líder do PMDB do Senado, Eunício Oliveira disputará o governo cearense e cobra o apoio do PT, que aliena o seu futuro à decisão do atual governador, Cid Gomes (PROS), e seu irmão Ciro Gomes (PROS). No Rio de Janeiro, o PT está prestes a romper a aliança com Sérgio Cabral (PMDB) e lançar Lindbergh Farias ao governo. O PMDB quer segurar os petistas na aliança e terá o vice Luiz Fernando Pezão como candidato.

Há problemas também na Paraíba, onde o senador Vital do Rêgo Filho (PMDB), cotado para o Ministério da Integração Nacional, quer apoio petista para seu irmão, Veneziano, mas o PP deseja ter o partido no palanque de Aguinaldo Ribeiro, ministro das Cidades.

Em alguns Estados está consolidada a formação de palanques independentes. Em São Paulo, o PMDB terá Paulo Skaf, enquanto o PT apostará no ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Na Bahia, o governador petista Jaques Wagner lançou o secretário Rui Costa a sua sucessão, mas o PMDB terá o vice-presidente da Caixa Geddel Vieira Lima como candidato. No Rio Grande do Sul, também é definitiva a situação de que os dois partidos estarão em campos opostos.

Depois da reunião com o PMDB, a cúpula petista receberá nesta tarde líderes do PP para discutir o mesmo tema. Além do problema na Paraíba, há dificuldades na aliança em Minas Gerais e no Rio de Janeiro.

AE/Jornal de Fato

Reajuste da gasolina e do diesel já começa a chegar aos postos do Brasil

Petrobras elevou o preço da gasolina em 4% e o do diesel, em 8%.
G1 visitou mais de 30 postos; alguns elevaram os preços acima do previsto

Do G1, em São Paulo*
Posto da Quadra 503 Norte, em Brasília, reajustou o valor da gasolina em 4,7% (Foto: Fausto Carneiro/G1)

O reajuste no preço da gasolina e do diesel anunciado na véspera pela Petrobras já chegou a algumas bombas de combustível neste sábado (30). O G1 visitou mais de 30 postos de localizados nas capitais de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Pará, além do Distrito Federal e de Olinda, em Pernambuco, e constatou que o consumidor já começa a sentir no bolso a elevação de preços anunciada na sexta-feira (29). Segundo comunicado da Petrobras, a gasolina ficou 4% mais cara nas refinarias e o diesel, 8%.

Em alguns estabelecimentos, o reajuste excedeu a porcentagem informada pela empresa. No Rio, por volta das 9h30, o Posto São Jerônimo do Anil, da bandeira Shell, na Estrada de Jacarepaguá, Zona Oeste da cidade, já havia reajustado o valor da gasolina comum de R$ 2,999 para R$ 3,199, uma alta de 6,7%.

Em São Paulo, o gerente Rubens Costa do posto BR, localizado na Alameda Santos, Zona Central, disse que o reajuste deve acontecer somente na segunda-feira (3), mas ficará em torno de 6%. “O preço da gasolina, que agora está R$ 2,99, deve ir para R$ 3,19. Isso é o que estimamos.”

Ao longo deste sábado, outros postos do Rio e de São Paulo começarão a levar o reajuste às bombas. Na Zona Norte do Rio, a partir das 14h, o Posto Vianense Petróleo, na Rua Lino Teixeira, no Jacaré, passará o preço nas bombas de R$ 3,059 para R$ 3,139.

No Centro do Rio, o Posto BR Rias Baixas, na Avenida Presidente Vargas, informou que o novo valor precisa aparecer no sistema para reajustar na bomba. Às 9h43, o valor cobrado era de R$ 3,19.

Já na Zona Sul, em Botafogo, o Posto BR ADM, na Rua da Passagem, informou que o valor será reajustado ainda neste sábado de R$ 3,14 para cerca de R$ 3,20.

O Posto de Gasolina e Serviços Feirense, em São Cristóvão, informou que o reajuste acontecerá a partir de segunda-feira (2), sem precisar o valor. Neste sábado, o consumidor pagava R$ 3,099 pelo litro de gasolina comum.

Essa é a mesma situação de São Paulo, em que gerentes dos postos Ipiranga, da Rua Bernardino de Campos, e Shell, da Rua 13 de Maio, ambos na Zona Central, afirmaram que a mudança ocorrerá somente na segunda. Nestes postos, a gasolina está por R$ 2,69; o etanol, R$ 1,89; e o diesel, R$ 2,59.

Belo Horizonte
Em postos de combustível visitados pelo G1 em outras duas capitais, os preços começaram a ser reajustados, mas a elevação ficou abaixo do informado pela Petrobras.

Para Minas Gerais, o repasse para o consumidor deve ser de cerca 2,7% no valor da gasolina e de 6% no do diesel, de acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo do Estado de Minas Gerais (Minaspetro), Paulo Miranda Soares. Ele ressalta que o reajuste, entretanto, varia em cada estabelecimento.

Em Belo Horizonte, Marcelo Magno conseguiu abastecer ainda com o preço sem reajuste (Foto: Raquel Freitas/G1)Em Minas, Marcelo Magno conseguiu abastecer ainda
com o preço sem reajuste (Foto: Raquel Freitas/G1)
Na região Noroeste da capital mineira, um dos postos localizados na Avenida Américo Vespúcio, já reajustara os preços antes mesmo da chegada de um novo carregamento de combustível: a gasolina passou de R$ 2,799 para R$ 2,899, e o diesel de R$ 2,497 para R$ 2,697, o que representa alta de cerca de 3,5% e de 8%, respectivamente. Segundo o gerente Júlio César Magalhães, o posto apenas repassou o aumento aos clientes para garantir a margem de lucro do estabelecimento.

Em outro posto na mesma avenida, o funcionário público Marcelo Magno conseguiu abastecer, nesta manhã, ainda com o preço sem o reajuste, pois os novos valores começaram a valer a partir das 13h deste sábado (30). “Caro é, mas fazer o quê?”, lamenta Magno sobre a elevação. No local, a gasolina subirá aproximadamente 3,5% e passará de R$ 2,89 para R$ 2,99. O diesel ficará cerca de 5,6% mais caro e passará de R$ 2,499 para R$ 2,639.

Campo Grande
Em Campo Grande, um estabelecimento na Avenida Tamandaré, na Vila Nasser, o litro da gasolina comum passou de R$ 2,94 para R$ 3,06 e o do diesel comum, de R$ 2,36 para R$ 2,48. O proprietário João Dassoler relatou que os preços foram reajustados com base no que foi repassado pela refinaria, mas podem ser alterados, para cima ou para baixo, já que os cálculos ainda estão sendo feitos.

No Jardim TV Morena, um posto na Rua Spipe Calarge reajustou o preço do litro do diesel de 2,47 para R$ 2,65. Segundo o gerente, Valdir de Souza, o preço do litro da gasolina comum, hoje de R$ 2,98, será reajustado nos próximos dias. O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Automotivos, Lubrificantes e Lojas de Conveniência de Mato Grosso do Sul (Sinpetro/MS) informa que repassar de imediato um reajuste ao consumidor é a prática mais comum entre os empresários.

Distrito Federal
O G1 visitou mais de 15 postos localizados na Asa Norte de Brasília. Destes, apenas dois reajustaram o valor. Em um estabelecimento localizado na Quadra 503 Norte, o reajuste para o consumidor foi de 4,7%, mais alto que o definido pela Petrobras para as refinarias. A gasolina passou de R$ 2,98 na noite de sexta para R$ 3,12 na manhã deste sábado.

O gerente do posto, que não quis se identificar, disse que a empresa recebeu de madrugada um caminhão de combustível já com novos preços e que o índice foi repassado ao consumidor. Ele afirmou que recebeu orientação dos donos do posto para aplicar um reajuste de 4,7%, mas disse que o preço pode ser revisto.

No posto da 102 Norte, a gasolina também já está com novos preços para os consumidores. O reajuste, porém, foi de 2% – o litro passou de R$ 2,99 para R$ 3,05. O frentista disse que o posto recebeu nova remessa de combustível na manhã deste sábado, já com reajuste da refinaria.

Belém
O G1 foi a três postos de combustível no centro de Belém e em nenhum o reajuste já foi aplicado. Nos locais visitados, a gasolina comum custa de R$ 2,77 a R$ 3,07. “Está cada vez mais complicado pagar pela gasolina. E eles querem cobrar o preço mais alto, porque ontem eu fui em cinco postos e não quiseram me vender porque queriam pegar o aumento de hoje”, afirma o eletricista morador de Belém, José Furtado, que tem carro e moto.

“Isso é um absurdo. Eu rodo 70 quilômetros por dia, uso o carro para tudo”, reclama o militar Samir, de 27 anos, que precisa se locomover de Ananindeua para Belém todos os dias. Ele estava em um posto no centro da capital, cujo valor da gasolina estava em R$ 3,07, ainda sem reajuste.

De acordo com o Sindicato dos Postos de Gasolina do Estado do Pará, 90% dos postos do estado devem fazer pedido de reposição dos combustíveis para distribuidoras neste sábado (30) ainda. De acordo com o presidente do sindicato, Alírio Gonçalves, o aumento deve ser em torno de R$ 0,04 para gasolina e R$ 0,11 no diesel.

“A maioria dos postos em Belém já está reajustando os preços na bomba. Até porque o aumento foi muito grande. Agora sobre o preço, é complicado, porque o Pará é o 5º estado do Brasil com combustível mais caro”, diz. Segundo Gonçalves, dois fatores contribuem para esse alto custo, a distância das distribuidoras e a carga tributária: o ICMS sobre a gasolina é de 28%.

Olinda
Em Pernambuco, o reajuste do diesel ficou acima do projetado pela Petrobras. No bairro de Ouro Preto, em Olinda, o posto São Salvador, da bandeira BR, elevou de R$ 2,29 para R$ 2,49 o litro do diesel, alta de 8,7%. Em outro posto, também em Olinda, no bairro do Varadouro, houve um aumento de R$ 0,20 no valor do diesel, que agora custa R$ 2,59, elevação de 8,3%.

*Colaboraram G1 RJ, G1 SP, G1 DF, G1 PE, G1 MS, G1 PA
G1 Economia

Pau dos Ferros-RN: TRE determinou retorno de João Milton à Chefia do Cartório Eleitoral da 40ª Zona

Na última quinta-feira, 28, o Corregedor do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte, Desembargador João Rebouças, reavaliou decisão anterior e determinou o imediato retorno do serventuário JOÃO MILTON Chaves Joca à Chefia do Cartório Eleitoral de Pau dos Ferros/RN.

De acordo com o Desembargador, à garantia de direitos a que se presta, não se pode desconsiderar que, ao ser determinada a retirada do servidor da chefia de cartório, a decisão judicial invadiu o patrimônio jurídico de uma pessoa natural e, ao afastar o servidor da chefia, deflagrou consequências morais e psíquicas em sua vida, pelo que, uma vez se considerando que o motivo à cautela geral não mais subsiste, o ato deve ser revisto.

Ressaltou, ainda, o Desembargador, em sua decisão, o fato do serventuário João Milton Chaves ter juntado aos autos declarações de vários magistrados, inclusive de membros do Ministério Público, atestando a sua idoneidade.

Em face desta nova decisão, o servidor, anteriormente afastado em sede de liminar, reassume a Chefia do Cartório da 40ª Zona Eleitoral de Pau dos Ferros/RN.

Fonte: E.S 132-42.2013
Blog do Capote

Quem dita as regras nas vizinhanças do aeroporto internacional do Rio é um barão das drogas que sustenta seu império com armamento pesado e corrupção policial

E tudo isso bem ao lado do Galeão

Leslie Leitão
PODEROSO CHEFÃO - Fernandinho Guarabu (de camisa listrada) e seu AK-47: "Igual ao do Bin Laden"

A Ilha do Governador já foi um bairro do Rio de Janeiro exaltado pela qualidade de vida. Sobre ele escreveram, com nostalgia, Vinicius de Moraes, que lá passou a infância nos anos 1920, e Rachel de Queiroz, que morou ali duas décadas depois. Uma ilhota bem ao lado sedia a Universidade Federal do Rio de Janeiro. Outra, conhecida como Galeão, é a porta de entrada dos milhões de estrangeiros que chegam à cidade pelo Aeroporto Internacional Tom Jobim. Pois nessa área, onde residem 211 000 pessoas e circulam acadêmicos, estudantes e turistas, ainda hoje um reduto da classe média, quem manda e desmanda é um barão das drogas: Fernando Gomes de Freitas, 35 anos, um dos traficantes mais poderosos e sanguinários do Rio e o que há mais tempo escapa por entre os dedos da polícia - no dia 1º de dezembro faz uma década que ele se estabeleceu no comando. Temido, temperamental, sempre cercado de seguranças, Fernandinho Guarabu, seu nome de guerra, controla o transporte, o gás, a TV a cabo, os bailes funk, a religião e, claro, a vida e a morte nos seus domínios.

O conjunto de favelas colado ao segundo aeroporto mais importante do país é uma fortaleza patrulhada dia e noite por um exército armado com mais de 200 fuzis, granadas, coletes e até armamento antiaéreo plantado nos becos. Drogas são vendidas abertamente nas ruelas. O QG de Fernandinho fica no Complexo do Dendê, por onde ele perambula com seus carrões, joias e roupas de grife, dormindo cada noite em um lugar (tem sete filhos com sete mulheres) e brandindo sua arma favorita, o fuzil AK-47 - "igual ao do Bin Laden", como gosta de enfatizar. Nessa década de impunidade, colecionou catorze mandados de prisão por oito homicídios, além de tráfico de drogas, armas e extorsão. Jamais foi detido. Ele garante a liberdade na ponta da calculadora, num exemplo contundente de como a corrupção policial pode ser decisiva para a manutenção de um reinado de horror: o chefão do Dendê paga cerca de 300  000 reais por mês em propinas.

IMPUNIDADE - Bandido vestido para a guerra, com granadas, colete à prova de bala e metralhadora antiaérea (à esq.), e venda de drogas no meio da rua: território livre para o crime

VEJA ouviu mais de uma dezena de policiais com passagem pela Ilha do Governador e deles obteve ampla confirmação do propinoduto. "Lá no batalhão a gente brinca que o Dendê é o Citibank", diz um sargento com quase uma década de experiência na área. "Os preços variam de 450 a 550 reais por dia de serviço no meio de semana, e até 1 000 no fim de semana, que é pra deixar o baile em paz", conta um soldado. Uma das mais espantosas investigações ainda em curso sobre a quadrilha indica a participação no esquema até mesmo de uma equipe do Bope, a tropa de elite carioca. Sai caro: 12 500 reais por plantão. Outra parte do pagamento vem em forma de mimos e favores. Certa vez, ao descobrir que um PM não estava conseguindo bancar a festa de 15 anos da filha, o chefão pagou a conta. Em outra ocasião, mandou entregar picanha e linguiça para um churrasco no batalhão, e assim manteve os policiais longe das ruas em um dia de ação mais ostensiva do tráfico.

Nas hostes das forças da ordem, Fernandinho conheceu aquele que é hoje um de seus homens de confiança: um ex-policial militar apelidado de Batoré, que, ainda na ativa, foi flagrado vendendo pistolas no Dendê, em 2006. Batoré acabou preso e expulso da corporação; mal saiu da cadeia, ganhou emprego fixo na favela. Por 8 000 reais semanais, administra o que parece ser o mais lucrativo negócio de Fernandinho depois das drogas e armas: o transporte alternativo. "Ele ganha dinheiro de tudo o que é comercializado dentro da ilha: varejo, máquinas caça-níqueis, mototaxistas, água, gás. Mas nada rende tanto quanto as vans e kombis", diz um inspetor da delegacia da área. Batoré dita as regras e os valores dos pedágios. "Pelo menos 600 motoristas estão pagando hoje para eles", calcula o proprietário de uma van, que também desembolsa a "taxa". Os preços semanais da extorsão variam entre 250 e 330 reais, que no fim somam cerca de 800 000 mensais. Quem se recusa a colaborar é punido com ações que vão do incêndio do veículo a sessões de tortura no morro. O conteúdo de conversas grampeadas pela polícia, às quais VEJA teve acesso, não deixa pairar dúvida sobre o pendor da gangue pela selvageria - "virar sereia", no vocabulário local, significa ter o corpo despejado na vizinha Baía de Guanabara - e sua promíscua relação com os homens da lei ("Sou parceiro", resume um agente).

LEI PRÓPRIA - No Dendê, ninguém usa capacete, para facilitar a identificação, e as vans pagam taxa: ameaças expostas em grampos

Certa aura de glamour envolve esse barão das drogas, que patrocina bailes funk capazes de atrair da Zona Sul ao Dendê, além de policiais, artistas, filhos de conselheiros do Tribunal de Contas, jovens de classe média e, claro, jogadores de futebol. Diego Souza e Vagner Love são frequentadores, mas o grande amigo de Fernandinho é outro ex-jogador rubro-negro, o atacante Lê. No último dia 20, Lê organizou uma festa-surpresa para comemorar o aniversário do chefão. A polícia acompanhou os preparativos sem mover um dedo. "Não é só por causa de propina que ele não é preso. Tem também a estatística", diz um delegado da cúpula da Polícia Civil. A estatística, no caso, é o declínio dos crimes comuns na região por ordem expressa do traficante, que, além disso, pratica um rasgado assistencialismo: dá gás, remédio, cesta básica, paga enterro, tudo para ter apoio dos moradores que mantém sob mãos de ferro. Nas cercanias do Dendê, o chefão atropela até os códigos de trânsito; nenhum motociclista deve usar capacete, para que possa ser identificado.

Os poucos policiais que já tentaram detê-lo sucumbiram à sua demonstração de força. Em 2012, o cabo Fabrício de Paula, de 39 anos, comandava uma equipe que insistia em combater o tráfico no Dendê e pagou caro por isso: o carro que dirigia foi alvejado por mais de vinte tiros de fuzil. Ele sobreviveu, mas teve o braço direito quase decepado. Sua cabeça, dizem os colegas, valia àquela altura 150 000 reais. A quadrilha não mede esforços para silenciar os inimigos. Às 3h10 da madrugada do dia 20 de junho de 2011, dez homens armados entraram em um hospital municipal a poucos quilômetros do Dendê e, sem encontrar resistência, levaram um paciente que dera entrada horas antes, ferido a bala. Resgate de comparsa? Nada disso. O rapaz filmou para a polícia a movimentação na favela. Fernandinho descobriu, mandou matá-lo, mas ele escapou ao cerco e procurou o hospital. Foi retirado de lá para ser executado.



SOCIEDADE - O parceiro Gil, que também dá ordens no Morro do Dendê (à esq.): há dez anos que a polícia faz vista grossa aos desmandos do bando

O tráfico começou a se entranhar no cotidiano dos moradores da Ilha do Governador nos anos 1990. As disputas de território aterrorizaram a região até que, em 2003, Fernandinho tomou a bala o controle do Complexo do Dendê junto com o comparsa Gilberto de Oliveira, o Gil (também solto). "Quem manda aqui não é Fernandinho e Gil. É Jesus! O dono da favela são vocês, moradores. A gente só administra", já disparou o próprio Fernandinho diante da plateia de um abarrotado baile funk (o vídeo está no YouTube). O barão da Ilha confia tanto na impunidade que, há quatro anos, deu entrevista à revista americana New Yorker sobre o tráfico no Rio. Posou, inclusive, para foto no sofá da sala, com "Jesus Cristo" tatuado no antebraço direito. Sem aderir a nenhuma denominação, afirma "ter sido tocado pela palavra de Deus". Fechou terreiros de candomblé e umbanda e instalou alto­falantes por todo o complexo que transmitem uma oração ao cair da noite. Apaziguados os anseios espirituais, ele se sente mais à vontade para continuar fazendo o que faz há dez anos: vender drogas e armas, corromper policiais, explorar e achacar moradores e eliminar desafetos, informantes ou qualquer um que não reze pela cartilha criminosa em vigor na principal porta de entrada do Rio de Janeiro.

Ordem para castigar um motorista de van que desafiou o bando

TRAFICANTE - Faz um favor? Senta a mão na cara dele pra mim? Senta a mão bem dada, no meio da cara, e manda ele vir resolver aqui. Ele vai puxar faca pra quem aqui?
COORDENADOR DAS VANS - Não manda que eu faço mesmo...
TRAFICANTE - Eu tô te dando uma ordem. Senta a mão no meio da cara, pra ficar os cinco dedos. Pra todo mundo saber o motivo do tapa. E fala pra ele: "Vai lá em cima agora falar com quem tu quiser".


​Policial convence um dos capangas
de Fernandinho a não destruir sua van

PM - Quem tá falando é o dono da van que tá rodando o Edinho (motorista), se ligou na parada?
TRAFICANTE - Porra, que pressão, hein?!
PM - Irmão, não é pressão, não. Negócio é todo mundo trabalhar... Eu sou aqui do 17 (batalhão da região) também. Tá bom, meu parceiro.
TRAFICANTE - (...) Ninguém vai fazer nada com a tua van, não. Mas, se acontecer alguma coisa com ele, eu não quero nem saber. (...)
PM - Tranquilo, irmão. Tu me conhece, eu te conheço. É só pra tu ficar ligado e todo mundo trabalhar.



IFRN de Mossoró é a melhor escola do Estado, diz Enem

A lista das melhores escolas do Rio Grande do Norte no Exame Nacional do Ensino médio - Enem 2012 - comprova a força da qualidade do ensino dos principais institutos federais do Estado e o crescimento das escolas católicas no âmbito das particulares. Comprova também que o avanço do Complexo Educacional Henrique Castriciano é consistente e não obra de campanhas de marketing.

A liderança do Campus IFRN Mossoró, com 619,10 pontos, deve ser vista como natural. O Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte) é a principal escola do Rio Grande do Norte, considerando escolas públicas e privadas, já há algum tempo.
Divulgação
Campus do Instituto Federal de Mossoró lidera ranking do Enem

É a chamada escola forte, que atende a um grande número de alunos, consegue ter áreas de excelência, bons professores, e desperta na comunidade o desejo de ter seus filhos estudando lá. É com certeza uma escola de ponta e deve, por justiça, estar entre os melhores institutos federais do Brasil.

O IFRN Mossoró, seguido a uma certa distância pelo IFRN Currais Novos e pelo IFRN Zona Norte Natal, é a gigante evidência de que uma escola pública pode ser boa, democrática e eficiente para a vida.

Os três IFRNs presentes na lista das 20 melhores escolas do Enem 2012 fazem parte da mais bem sucedida rede de escolas da história do Rio Grande do Norte e do Nordeste brasileiro. Mas o mais antigo campus O Natal Central, situado na Salgado Filho não está entre as primeiras, apesar de ter bom número de inscritos no exame.

Crescimento

A rede federal de ensino técnico tem hoje 19 escolas e está presente com grandes e estruturadas escolas em todas as regiões do Rio Grande do Norte. Para se ter uma ideia do que isso representa, basta dizer que a rede tem a maior estrutura do Estado quando o assunto é Esporte, Laboratórios, Auditórios. Além disso, como informou o ex-secretário estadual de Educação, Otávio Augusto Tavares, a rede incentiva sistematicamente na qualificação de docentes oferecendo cursos de mestrado de doutorados. “Os cursos são realizados na própria instituição ou em diversas universidades de país”, disse.

O IFRN foi até a comunidade. Foi de verdade. Foi até o aluno. Foi até o atleta. Foi até as famílias que sonhavam com uma escola forte e completa nas proximidades de suas vidas. 

O IFRN foi até onde as pessoas vivem. Se essas pessoas vivem em Rafael Godeiro, por exemplo, lá perto está o IFRN de Apodi. Se elas vivem em Cerro Corá, lá perto está o IFRN Currais Novos. Se elas vivem em Bento Fernandes, lá na vizinhança está o IFRN João Câmara. Se elas vivem em Jandaíra, pertinho está o IFRN Macau.
Escola Agrícola de Jundiaí

A outra escola pública presente na lista das 20 melhores do Enem no RN é a Escola Agrícola de Jundiaí, instituição vinculada a Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Situado no município de Macaíba, é a parte da UFRN mais representativa fora de Natal.

A Escola Agrícola de Jundiaí, até por sua natureza, não tem a desenvoltura, muito menos o alcance da rede IFRN, mas se mantém firme como escola forte de ensino médio e profissionalizante. São ofertados cursos técnicos em Agropecuária, Agroindústria, Aquicultura e Informática.

Rede estadual de ensino

No outro lado da história está a rede estadual de ensino, responsável direta pela oferta do ensino médio público. Sem maiores novidades mantém sua trajetória de queda dos últimos anos. Trajetória que é comprovada, não apenas pela avaliação do Enem, mas pela própria falta de credibilidade das escolas estaduais junto à comunidade.

Melhorar a rede estadual de ensino é uma questão que vem se arrastando ao longo dos últimos anos. Questão que não se resolve de forma isolada. Questão que precisa de lideranças reais na Educação para conduzir as reformas e entendimentos necessários visando escolas melhores e com oferta de ensino com qualidade. E isso não existe ainda.

As notas do Enem por escola foram divulgadas na terça-feira (26) pelo Ministério da Educação, através do Inep. Estão na lista entre as melhores tradicionais estabelecimentos de ensino católicos como Marista, Neves, Salesiano, Maristella, Master Cristi, Santa Terezinha além do Contemporâneo, Overdose, Mundial, PH3, entre outros.

TRIBUNA DO NORTE

Estatística: RN tem 23,7% de jovens que nem estudam nem trabalham

Vinícius Menna - repórter

Dayana do Nascimento tinha 15 anos quando engravidou e parou de estudar. Nunca mais pegou nos livros de novo. Hoje com 19, ela está desempregada, tem três filhos para criar e depende da ajuda da mãe para sobreviver. Assim como Dayana, 215 mil jovens potiguares com idade entre 15 e 29 anos não estudam e também não possuem qualquer ocupação remunerada. Conforme a Síntese de Indicadores Sociais 2013 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada ontem e elaborada com base em dados colhidos em 2012, no Rio Grande do Norte, 23,7% da população dessa faixa etária encontra-se nessa situação, ou seja, 6,78% da população total do Estado.

O índice está acima da média nacional, de 19,6%. Segundo IBGE, o Nordeste é a região com maior proporção de jovens que não estudam e nem trabalham. A pesquisa aponta também que as mulheres brasileiras são maioria entre os jovens nessas condições: 70,3%. Entre as garotas pesquisadas, 58,4% tinham pelo menos um filho.
Júnior Santos
Dayana, 19 anos, representa parte do percentual da pesquisa

Dayana retrata uma parte dessas estatísticas. A reportagem a encontrou em uma rua da comunidade do Passo da Pátria, sentada na calçada com mais três amigas, jogando baralho, uma das atividades que pratica diariamente. Em meio às apostas e discussões do jogo, ela contou que parou de estudar pouco antes do primeiro filho nascer, quando tinha 15 anos. “Depois tive outro com 16 e mais outro com 19”, contou, antes de voltar a discutir com as amigas por uma moeda de 25 centavos.

Dayana parou de estudar na antiga 7ª série, hoje 8º ano. Chegou a trabalhar em um restaurante, mas não conseguiu mais nada desde então. Ela diz ter dificuldades para conseguir um emprego e que as oportunidades que aparecem são poucas. “Minha mãe é quem me ajuda. Ela cuida de um idoso”, explicou, referindo-se ao trabalho da mãe.

A evasão escolar no limiar dos ensinos Fundamental e Médio também está entre os pontos abordados pela pesquisa do IBGE. Os indicadores mostram que a maior parte dos jovens do país que nem trabalham nem estudam, 38,6% deles, têm ensino médio completo, mas outros 32,4% sequer completou o Ensino Fundamental. 

No Rio Grande do Norte, a análise de frequência líquida escolar aponta que apenas 44,2% das crianças de 15 a 17 anos cursavam o Ensino Médio na época da pesquisa. Este número de evasão escolar é bem maior se comparado com o ensino fundamental, em que as crianças de 6 a 14 anos que frequentam as aulas chegam a 91,9% no Estado.

“Muitos acabam largando os estudos porque estão trabalhando para tentar a sobrevivência da família. Outros foram reprovados e se afastaram da escola, desmotivados. Então é um conjunto de fatores. E essas pessoas acabam ficando excluídas do mercado de trabalho”, avalia Ivanilton Passos, analista do IBGE.

Mudança

Do outro lado das apostas do pife estava Gilvaneide Lima, de 21 anos. Ela também está desempregada e passou mais de quatro anos sem se dedicar aos estudos. Contudo, há dois anos, ela resolveu mudar essa realidade. Ela tinha parado na antiga 8ª série, hoje 9º ano. Atualmente, está concluindo o 2º ano do Ensino Médio.

“Eu percebi que só tem oportunidade quem estuda. O povo só quer gente qualificada hoje em dia. Tenho que correr atrás do tempo perdido. O mercado de trabalho está exigente demais”, explicou Gilvaneide. No caso dela, o sustento é viabilizado através do Bolsa Família e também com a ajuda de familiares.

Gilvaneide concorda que as mulheres sejam maioria nessas condições. Para ela, os homens “correm mais atrás”. “Mas acho que também existem mais oportunidade para homens do que para mulheres”, argumentou.

TRIBUNA DO NORTE

Futebol: ABC empata por 0 a 0 com América/MG e sobe para 13º

Final de festa sem comemorações

Em uma de suas piores campanhas como visitante na disputa da série B, o ABC fechou ontem a noite contra o América Mineiro o seu ciclo de jogos no Brasileiro. Com o empate por 0 a 0 obtido no estádio Independência, o clube potiguar somou apenas seu oitavo ponto atuando na casa do adversário, fruto de duas vitórias, dois empates e quinze derrotas. Mas ainda assim conseguiu se manter livre da zona de rebaixamento e agora terá de torcer por um tropeço americano neste sábado, diante do Oeste, que vão jogar no estádio dos Aflitos, para acabar a competição a frente do rival.

Com a equipe completamente reserva, o ABC entrou em campo apenas para cumprir tabela diante do América Mineiro. Durante os primeiros 45 minutos, o time potiguar não conseguiu criar uma chance de real perigo para o gol adversário, na única tentativa que poderia render algo, Maurinho foi lançado entrou na área, mas acabou concluindo em cima do zagueiro e a bola foi para escanteio.
joão goldinho
Mesmo com uma boa marcação, Bady deu trabalho na partida

O time americano apesar de não correr muito, chegou a assustar e só não largou na frente do placar por causa de duas boas intervenções do goleiro Rafael Robalo. O jogador abecedista trabalhou firme em dois lances na altura dos 28 minutos, primeiro numa falta cobrada por Bady e depois num chute de fora da área, que desviou no centroavante Marcão e quase traiu o titular do gol alvinegro. No último lance de perigo, Bady, em nova cobrança de falta forçou Rafael Robalo a trabalhar e mandar para escanteio.

Procurando mostrar um pouco mais de disposição na partida, o ABC voltou mais ofensivo, com o atacante Schwenck no lugar do lateral-direita Totty, e foi o jogador que desperdiçou a melhor oportunidade dos natalenses em todo o jogo. Aos 14 minutos, após uma confusão na área, a bola sobrou na pequena área para Schwenck, que chutou e viu a bola desviar no zagueiro e ir pela linha de fundo.

Atuando em casa e querendo se despedir da temporada com uma vitória, o América foi ligeiramente melhor e continuou forçando ataques atrás de abrir vantagem, só que Rafael Robalo estava mesmo determinado a estregar o final de festa dos mineiros e defendeu com segurança uma bola nos pés de Nikão, depois um chute cruzado do mesmo atacante e, quase no final da partida, uma tentativa do veterano Fábio Júnior num chute forte, cruzado, segurando a igualdade no marcador e garantindo o ponto final do ABC no Brasileirão de 2013. 

Vitória no fim

Último colocado na tabela de classificação, o ASA de Arapiraca conseguiu evitar uma despedida da Série B ainda mais melancólica diante de seu torcedor. Ontem, o clube alagoano recebeu o São Caetano e conseguiu garantir a vitória já nos minutos finais da partida: 1 a 0 sofrido, resultado que representa a falta de qualidade das duas piores equipes da segunda divisão de 2013.

Quando o jogo se encaminhava para um frustrante empate sem gols, o time da casa contou com o faro de seu artilheiro para movimentar o marcador e encerrar sua participação com uma vitória. Lúcio Maranhão, aos 41 minutos do segundo tempo, foi o responsável pela vitória do ASA. O resultado faz com que o time alagoano termine a Série B do Campeonato Brasileiro com 35 pontos, ainda na lanterna da competição nacional. O São Caetano, por sua vez, ficou apenas com um ponto a mais, no penúltimo lugar, confirmando uma temporada para apagar da história.

TRIBUNA DO NORTE

Ensino: Lei federal proíbe as escolas de cobrarem por material de uso coletivo

Está em vigor, há quatro dias, uma lei federal que vai dar mais transparência nas relações de consumo entre os pais de alunos e as escolas particulares, sobretudo, quanto à aquisição de material de uso coletivo. A Lei nº 12.886 foi sancionada na terça-feira (26) pela presidente Dilma Rouseff e diz que aquele tipo de material necessário à prestação de serviços educacionais contratados, devem ter os custos correspondentes sempre considerados nos cálculos do valor das anuidades ou semestralidades escolares.

Para o diretor geral do Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), Kleber Fernandes da Silva, fica claramente demonstrado na lei, que esse tipo de material “é de responsabilidade da escola, porque já cobra mensalidade pra isso e devia embutir esse material no seus custos, não pode transferir essa responsabilidade para os pais de alunos”.
JOAN ALIMA
As complexas e extensas listas de material escolar, principalmente para alunos de séries menores, agora não podem mais exigir itens que não sejam de uso exclusivo para o estudante

Kleber Fernandes avaliou que por ter um peso maior, à medida em que passar a ser utilizada como mecanismo por todo o sistema nacional de Defesa do Consumidor, além das Defensorias Públicas e o próprio Ministério Público, que vão passar a citar nas ações civis públicas, haverá mais segurança jurídica.

Isso porque, à emenda à Lei Federal n° 9.870/99 que regulamenta a contratualização dos serviços entre os pais e escolas, tem um peso maior dado ao princípio da hierarquia das normas e vai gerar entendimentos mais uníssonos em todo o Brasil, no sentido de que tipo de prática é abusivo e ilegal.

Fernandes explica que diante do fato da lei já ter entrado em vigor, se algum pai de aluno se considerar lesado ou prejudicado na compra do material escolar do filho, pode procurar o Procon municipal. “No caso de denúncia, autua-se a instituição de ensino, que será convocada para uma audiência de conciliação; uma vez não havendo um acordo, pode-se aplicar uma multa pecuniária, que não será destinada ao consumidor”.

O diretor do Procon municipal afirmou que uma escola infratora pode sofrer todas as sanções administrativas previstas no artigo 56 do Código de Defesa do Consumidor. “Vão desde a aplicação de multas até a suspensão da atividades da instituição de ensino”, de acordo com a gravidade, reincidência infracional ou com o fato de se negar a cumprir, efetivamente, o que dispõe a lei.

Para o caso do consumidor ter se sentido constrangido ou obrigado a comprar, ou já ter comprado material escolar de uso coletivo que considerou abusivo, Fernandes explica que uma alternativa pelo ressarcimento financeiro, por dano moral ou material, poderá ser procurar o Juizado Especial que arbitra causas no valor de até 40 salários mínimos.

Segundo Fernandes, agora em dezembro, o Procon de Natal deverá fazer uma pesquisa de preços de material escolar, com divulgação em janeiro, de modo a orientar os pais na sua aquisição. “É justamente o período em que os que vão adquirir o material escolar”, afirmou, lembrando que no período natalino as pessoas tendem a se preocupar apenas com presentes.

Entenda o que está definido na lei

- Escolas não podem exigir marcas específicas, mas sugerir marcas que possuam selo do Inmetro.

- As taxas referentes a eventos e festividades devem ser facultativas, sem qualquer prejuízo ao aluno que não participar deles.

- Escolas não podem exigir material de consumo, de expediente, de higiene e limpeza, como papel higiênico, estêncil, flanela, verniz, corretor, álcool, giz branco, apagador, CDs, DVDs, grampeador, algodão, copo descartável, sabão, sabonete, detergente.

- Na lista de material de uso individual, deve constar aviso sobre o direito de opção do pai ou responsável, na escola entre pagar a taxa de material ou entregá-lo diretamente à escola.

- A lista de material de uso individual ou coletivo deve constar a destinação de cada item solicitado.

- A escola terá de apresentar projeto pedagógico para comprovação de uso e quantidade no caso de pedido de resma de papel.

Fonte: Sindicato das Escolas Particulares do RN
TRIBUNA DO NORTE

Cazuza "volta" aos palcos com tecnologia 4D para show de 20 minutos em SP

DE SÃO PAULO


Em comemoração do ano em que Cazuza completaria 55 anos, o artista poderá ser visto em formato de um holograma em 4D, em um palco montado no Parque da Juventude, no sábado (30).

O show completo terá 20 músicas, mas a projeção cantará apenas cinco, durante 20 minutos para 40 mil pessoas, segundo expectativa da organização.

Entre as canções escolhidas estão "Brasil", "Amor, Amor", "Exagerado", "O Tempo Não Para", "Faz Parte do Meu Show Meu Show".

Pq. da Juventude - área de shows - av. Cruzeiro do Sul, 2.630, Canindé, região norte, s/tel. 40 mil pessoas. Sáb. (30): 19h. 120 min. Não recomendado para menores de 14 anos. Informações p/ www.voltacazuza.com.br. GRÁTIS

Cazuza Mostra Sua Cara
Flávio Colker/Divulgação
Cazuza em foto da exposição "Cazuza Mostra Sua Cara", no Museu da Língua Portuguesa
Folha de São Paulo

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

RN é estado com 2º maior índice de trabalhadores formais no Nordeste

Dados fazem parte da Síntese de Indicadores Sociais do IBGE.
Número de trabalhadores na informalidade ainda é de 54,2%.

Do G1 RN

O Rio Grande do Norte é o segundo estado com maior porcentagem de trabalhadores formais no Nordeste. O dado foi divulgado nesta sexta-feira (29) pela Síntese de Indicadores Sociais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) . Em 2012, quando a pesquisa foi realizada, 45,8% dos potiguares ocupados estavam no emprego formal. O estado foi superado apenas por Pernambuco, que obteve taxa de 46,6%.

De acordo com o IBGE, o RN mantém um crescimento na proporção de trabalhadores formais. No ano anterior, por exemplo, essa porcentagem era 44,1%. Mesmo sendo uma das melhores taxas da região, o estado ainda tem 54,2% dos seus trabalhadores na informalidade. São quase 665 mil pessoas.

A taxa de desocupação para pessoas acima dos 16 anos ficou em 7,1%. Esta a quarta menor taxa do Nordeste.

Ainda segundo a pesquisa, a média salarial do trabalhador potiguar ficou em R$ 1.069,00. O valor é maior para os trabalhadores formais e chega a R$ 1,410,00. Já para o trabalhador informal, a média fica em R$ 715.

Mãe suspeita de vender virgindade da filha por R$ 50 é presa no Rio

Outra filha, de 12 anos, também diz ter sido vítima de abuso sexual.
Jacira do Carmo Moreira, de 46 anos, se entregou à polícia nesta sexta.

Do G1 Rio

Jacira do Carmo Moreira, de 46 anos, suspeita de explorar sexualmente a filha, hoje com 15 anos, se entregou à polícia do Rio de Janeiro no fim da tarde desta sexta-feira (29). Mãe de nove filhos, ela é suspeita de receber dinheiro em troca de abusos sexuais contra uma das filhas — teria vendido a virgindade da filha por R$ 50 quando a menina tinha 9 anos — e estava foragida desde quinta (28), quando foram expedidos mandados de prisão contra ela e cinco homens suspeitos de estuprar a menina. A mulher nega as denúncias.




A suspeita se apresentou na 31ª DP (Ricardo de Albuquerque) e foi encaminhada à noite para a Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (Dcav). Chorando muito, ela alegou inocência. "Quando eu vi (que era procurada pela polícia) eu falei que queria me entregar, porque eu sou inocente. Eu não sou uma fugitiva", disse.

Questionada sobre as denúncias da filha, Jacira afirmou que a menina mentiu e garantiu que nunca explorou dos nove filhos para ganhar dinheiro. "Eu tenho dois braços e duas pernas. Minhas mãos são todas calejadas. Enquanto eu puder trabalhar eu nunca vou precisar disso". Ela admitiu uso de cocaína, mas garantiu estar livre do vício. "Eu nunca usei nada na frente dos meus filhos, por respeito a eles", disse.

Também nesta sexta, outra filha de Jacira, de 12 anos, foi encontrada pela polícia em um abrigo da Prefeitura para menores. Em entrevista a agentes, com auxílio de uma psicóloga, ela confirmou as acusações da irmã e disse que também sofreu uma tentativa de abuso sexual por parte de um vizinho, quando tinha 11 anos. Ele seria Humberto Ricardo Marsico Morelli Alves, conhecido como "Maninho", de 58 anos, um dos cinco presos nessa quinta.

Segundo a Polícia Civil, Jacira responde a um inquérito por ameaça e lesão corporal. Agora ela passa a responder por estupro de vulnerável, corrupção de menor, maus tratos, favorecimento da exploração sexual, abandono material e abandono intelectual. Da Decav, ela foi encaminhada Secretaria de Estado de Administração Penitenciária. Ela ficará presa por pelo menos 30 dias, prazo da prisão temporária determinada pela Justiça.

Dois foragidos
Além dele, foram presos: José Henrique Gomes, o Russo, de 63; David Macedo Gonçalves de Aquino, de 56; José Belizário da Silva, o Dedé, de 79; e Celso Medeiros Barrientos, o Celso Protético, de 55. Eles também eram vizinhos da vítima, no Subúrbio do Rio. Outros dois estão foragidos: Alexandre Ítalo Oliveira Santos, o Alex, de 60 anos, e George Correia Teteu, de 58.

A mãe da vítima seria dependente de drogas e permitia os abusos em troca de dinheiro, bebidas alcoólicas e entorpecentes desde 2006. Os fatos foram confirmados pela própria vítima, que afirma ter passado fome junto com outros sete irmãos para que a mãe alimentasse os vícios. A vítima e uma irmã dela, de 20 anos, foram encaminhadas à Dcav.

Suspeitos vão responder por estupro de vulnerável e exploração sexual (Foto: Cristiane Cardoso/G1)Suspeitos podem responder por estupro de
vulnerável e exploração sexual
(Foto: Cristiane Cardoso/G1)
"Ela vendia o sexo da menina por álcool, dinheiro ou cocaína", declarou o delegado titular da Decav, Marcello Maia.

A adolescente reconheceu todos os suspeitos e explicou a conduta de cada um deles ao delegado. Outra irmã da vítima, que teria sofrido os mesmos crimes, é procurada. Ela estaria em São Paulo.

Se forem indiciados, os suspeitos vão responder por estupro de vulnerável e exploração sexual. Já a mãe da vítima vai responder, ainda, por maus-tratos e abandono material.

G1 Rio de Janeiro

Petrobras anuncia reajuste de preço da gasolina e do diesel nas refinarias

Reajuste será de 4% para a gasolina A e de 8% para o diesel.
Novos preços passam a vigorar a partir da 0h deste sábado.

Do G1, em São Paulo
A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (29) que os preços da gasolina e do diesel serão reajustados a partir deste sábado (30) nas refinarias. O reajuste será de 4% para a gasolina e de 8% para o diesel, atendendo aos princípios de uma nova política de preços a ser implementada pela empresa.

O último reajuste feito pela estatal ocorreu em março deste ano, quando o diesel subiu, em média, 5% nas refinarias. Em janeiro, a Petrobras reajustou o diesel em 5,4% e a gasolina, em 6,6%.

Expectativa é que os postos elevem os preços até o fim da semana que vem, à medida que recebam combustível com preço reajustado
Segundo comunicado divulgado ao mercado, os novos preços passam a vigorar a partir da 0h deste sábado.

"Os preços da gasolina e do diesel, sobre os quais incide o reajuste anunciado, não incluem os tributos federais Cide e PIS/Cofins e o tributo estadual ICMS", informou a Petrobras. O reajuste de 4% é na gasolina A. Ou seja, no combustível que é distribuído pela estatal, antes da adição de etanol (atualmente em percentual de 25%).

Como a Cide já está zerada, o novo reajuste nas refinarias tenderá a ser necessariamente repassado para os preços ao consumidor.

Reflexo para o consumidor
Na bomba, o repasse deve ficar muito próximo do anunciado pela Petrobras tanto para a gasolina quando para o diesel, segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro), João Alberto Gouveia. A expectativa, segundo ele, é que todos os postos elevem os preços até o fim da semana que vem, à medida que recebam combustível com o preço reajustado.

O diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires, estima que nas bombas dos postos o preço da gasolina irá subir cerca de 3% e o do diesel por volta de 5%.

Para economistas ouvidos pelo G1, o reajuste deverá refletir também em outros setores, sobretudo os que dependem de transporte, como alimentos.

Nova política de preços
A Petrobras informou também que o conselho de administração da estatal aprovou nesta sexta a implementação de uma nova política de preços, mas "por razões comerciais, os parâmetros da metodologia de precificação serão estritamente internos à companhia".

A companhia não deixou claro se a proposta de reajustes de preços automáticos foi descartada. A Petrobras disse que não vai revelar os parâmetros da nova metodologia de preços. No fato relevante, a Petrobras informa que esses parâmetros ficarão ''restritos à companhia".

"Caberá ao Conselho de Administração avaliar a eficácia da política de preços da Petrobras por meio da evolução dos indicadores de endividamento e alavancagem da Companhia", diz o comunicado.

Em outubro, a Petrobras apresentou uma nova metodologia de reajuste, de forma a trazer maior previsibilidade do alinhamento dos preços domésticos do diesel e da gasolina aos preços praticados no mercado internacional. A proposta, no entanto, encontrou resistência por parte do governo.

A metodologia contemplaria reajuste automático do preço do diesel e da gasolina em periodicidade a ser definida antes de sua implantação, baseado em variáveis como o preço de referência desses derivados no mercado internacional, taxa de câmbio e ponderação associada à origem do derivado vendido, se refinado no Brasil ou importado.

A Petrobras informou nesta sexta que a política de preços será aplicada de forma a assegurar que os indicadores de endividamento e alavancagem da companhia retornem aos limites estabelecidos no Plano de Negócios e Gestão 2013-2017. Segundo o fato relevante, o objetivo é "alcançar, em prazo compatível, a convergência dos preços no Brasil com as referências internacionais" e "não repassar a volatilidade dos preços internacionais ao consumidor doméstico".

Medida para reduzir prejuízo da estatal
O novo reajuste era defendido há meses pela diretoria da estatal diante do descolamento entre os preços cobrados dos motoristas brasileiros e o quanto a empresa paga para importar o combustível.

No Brasil, o preço da gasolina varia de capital para capital - o que depende de fatores como a distância da refinaria, a concorrência entre os postos etc. Atualmente, o governo controla, na prática, os reajustes de combustíveis da estatal com base, principalmente, em questões relacionadas à inflação. Isso porque o aumento dos preços do combustível impacta na inflação que, neste ano, chegou a ficar acima do teto de 6,5% da meta do governo - em junho, o IPCA em 12 meses ficou em 6,7%.

A alta dos combustíveis, no entanto, já era aguardada pelo mercado e por acionistas da Petrobras como uma medida para diminuir o prejuízo da companhia com a alta do preço do petróleo no mercado internacional e com a valorização do dólar. No terceiro trimestre, o lucro da Petrobras caiu 45% sobre o trimestre anterior, para R$ 3,395 bilhões. A queda foi de 39% em relação ao mesmo período do ano passado.

Nesta sexta-feira, as ações da Petrobras avançaram mais de 2%. Mas, no mês, o papel preferencial da companhia caiu 6,4%.

A diferença entre os preços do mercado interno e externo chegou a quase zero em abril. Com a alta do dólar, contudo, bateu os R$ 0,42 centavos por litro em agosto. Hoje, está em torno de R$ 0,13% por litro, de acordo com informações do Bom Dia Brasil.

G1 Economia